Wednesday, September 16, 2009

Meu ponto



Minha vida me proporcionou,

Uma forma diferente de ver as coisas,

Única como um todo.

Quero voar para fora daqui,

Mas isso não passa de um sonho,

Fruto de uma natureza proíbida,

Que conta as horas de angústia,

Na esperança de um segundo feliz.

No amargo presente real,

Já me sinto um passado ilusório,

Desejando cada segundo de um complemento,

Que preenchia todo esse vazio que me consome agora.

Sonho sangrado até quase morte,

Mas sonhos de sangue são mais vivos,

Mais vivos do que nós somos,

Mais vivos do que nós vivemos.

Vidas opostas e únicas,

Onde a ignorância é mais que uma benção,

É uma forma de ser feliz,

Criptografado em ruídos sem nexo,

Deixo meu sonho nú,

Na espectativa de uma compreensão.

Obrigado!


Rafael F.

1 comment:

.мαн. said...

Quero ver new posts! :)